PEIXE PARA AS CRIANÇAS



Os ácidos graxos ômega 3 reduzem o risco de várias doenças. Melhoram a circulação sanguínea e a pressão arterial, reduzem o risco de doenças reumáticas, infarto e outros problemas cardíacos como arritmias. Em um estudo longitudinal, um grupo de pesquisa anglo-americano demonstrou que, ao incluir o peixe no cardápio de uma gestante, as vantagens repercutem também no desenvolvimento de bebês e crianças pequenas. Há indícios de que o consumo de produtos à base de peixe pode reforçar a inteligência e sociabilidade. 

Mas nem todo peixe contém as mesmas quantidades de gordura: um percentual equivalente a 2,6 significa que 100 gramas de salmão criado em cativeiro contêm até 2,6 gramas de dois ácidos graxos ômega 3 poli-insaturados, em particular o ácido eicosapentaenoico (EPA) e o docosaexaenoico (DHA). A porcentagem oscila dependendo de fatores como a estação do ano e a alimentação do animal. 

Porém, algumas espécies, como o peixe-espada e o lúcio, podem acumular substâncias venenosas, em particular o mercúrio, um metal pesado. Por isso, mulheres grávidas ou em fase de amamentação e crianças pequenas devem evitar o seu consumo. Mas os cinco peixes à frente da classificação por porcentagem de ômega 3 (veja abaixo) contêm não mais que 0,05 miligrama de mercúrio – o valor limite para metais pesados nesse tipo de alimento. A tabela mostra o conteúdo de EPA e DHA nas diversas espécies.

• Salmão de cativeiro 2,6%

• Anchova 2,1%

• Arenque (Atlântico) 2,0%

• Sardinha do Atlântico 1,2%

• Sardinha, salmão natural 1%

• Truta, atum branco 0,9%

• Peixe-espada, vôngole 0,8%

• Ostras 0,7%

• Hipoglosso, merluza preta, fishburger (fast food) 0,5%

• Caranguejo, vieira, sardinha real 0,4%

• Camarão de mar, mexilhão 0,3%

• Bacalhau, siluro, bolinhos de peixe (congelados) 0,2%

• Camarão 0,1%

Comentários

Postagens mais visitadas